Companhia Estadual de Jazz - CEJ

De John Coltrane a João Donato, tudo passado no Samba-Jazzificator System!

A CEJ - Companhia Estadual de Jazz - é um quarteto formado por Sergio Fayne no piano, Fernando Clark na guitarra, Chico Pessanha na bateria e Reinaldo Figueiredo no contrabaixo.

A Companhia Estadual de Jazz vem se apresentando desde 1998 em vários bares, casas noturnas e centros culturais do Rio de Janeiro. Além disso, já participou de alguns eventos muito especiais, como o Festival Internacional de Jazz de Montréal, no Canadá, e o Festival Blues & Jazz , em Búzios. O grupo tocou também na Bienal do Livro (entrega do Prêmio Jabuti), no Sesc Rio Fashion Business (no Museu de Belas Artes) e no Circuito Rio Show de Gastronomia, no Museu de Arte Moderna, onde apresentou seu show Cardápio, com um repertório de "música gastronômica".

O grupo já lançou dois CDs, mas sempre privilegiou a música ao vivo. Os discos têm o mesmo clima das suas jamsessions , onde eles fazem um som instrumental improvisado e com balanço, baseado em standards e em temas brasileiros. É um jazz quente e tropical. Um estilo que pode ser chamado de “hard bop samba jazz”. Um som inspirado em Tom Jobim e Dizzy Gillespie, Horace Silver e João Donato, Miles Davis e Moacir Santos.

E nas suas animadas jamsessions já pintaram, para dar uma canja, figuras como Claudio Roditi, Paulinho Trompete, Carlos Malta, Jean-Pierre Zanella, Gabriel Grossi, Guilherme Dias Gomes, José Carlos Bigorna e Marcos Amorim. (A CEJ já teve entre seus integrantes Guilherme Vianna no sax e André Barion na guitarra).

O mais recente CD do grupo tem o título Via Bahia, com o repertório todo baseado em temas que têm a ver com a Bahia. Tudo, como sempre, naquele clima quente de samba-jazz tropical... O repertório desse CD também foi apresentado no Festival Internacional de Jazz de Montréal, no Canadá, em 2009 (com participação de Guilherme Vianna e Jean-Pierre Zanella).

CEJ - Companhia Estadual de Jazz: quem é quem.

Sergio Fayne

Sergio Fayne

Nos anos 60 e 70 era violonista e flautista. Fez parte do quarteto de flautas que acompanhava Tom Jobim. Acompanhou também Nana Caymmi, Leny Andrade e Roberto Carlos. Fez jingles, publicidade, produção musical e, depois, não se sabe bem porque, acabou virando restaurateur e abriu o Árabe da Gávea. O tempo passou e, nos anos 90, de repente resolveu ser pianista. E não é que deu certo? Confiram seus solos nos CDs e nas apresentações da Companhia Estadual de Jazz.

Chico Pessanha

Chico Pessanha

Nos anos 60 era sócio de carteirinha do Clube de Jazz e Bossa, que funcionava nas tardes de domingo na boate Little Club. Lá via e ouvia de perto o seu ídolo, o lendário baterista Edison Machado, junto com Victor Assis Brasil , Meireles e outras feras. De lá pra cá Chico Pessanha vem castigando o couro da sua batera em várias situações , desde jamsessions de jazz até apresentações com seus filhos (Chico e Leonardo) , relembrando Hendrix, Clapton e Santana.

Reinaldo

Reinaldo Figueiredo

Nos anos 60, depois de ver ao vivo a Leny Andrade com o Bossa Três, saiu comprando tudo que era disco de trio piano/baixo/bateria. Começou uma carreira de músico e trabalhou em publicidade, compondo jingles. Mais tarde, mudou de ramo, entrando para a equipe de cartunistas do semanário de humor O Pasquim. Em 1984, foi um dos criadores do jornal mensal O Planeta Diário. Nos anos 80 e 90, participou como baixista de todos os shows musicais do grupo Casseta& Planeta. Desde 1998, toca contrabaixo na Companhia Estadual de Jazz (CEJ). Desde 2013, produz e apresenta o programa “A Volta ao Jazz em 80 Mundos”, na Rádio Batuta (rádio de internet do Instituto Moreira Salles).

Fernando Clark

Fernando Clark

Guitarrista e produtor. Participa dos seguintes projetos:
- Companhia Estadual de Jazz (CEJ), grupo instrumental carioca.
- Conexão Rio, grupo de bossa nova, com 2 CDs lançados. O primeiro com o saxofonista Raul Mascarenhas e o segundo com o trombonista e arranjador Vittor Santos.
- Tributo a Chet Baker, com Nico Rezende e Guilherme Dias Gomes.
- Tributo a Wes Montgomery, uma homenagem a um dos maiores nomes da guitarra no jazz.
- Tributo a Ray Charles, projeto liderado pelo cantor Pedro Quental (Monobloco).
Fernando Clark é um dos criadores do projeto “Bossa, jazz e muito mais!” que em 5 anos, produziu mais de 700 shows nos restaurantes Vizta, no Hotel Marina Palace no Leblon e no Hotel Pestana Rio Atlântica, em Copacabana. Desde 1990, é coordenador da Escola de Música In Concert, em Ipanema.

ALGUNS COMENTÁRIOS SOBRE O SEGUNDO CD DA CEJ : “VIA BAHIA”

"O disco é bom à beça e o Reinaldo segura a onda da turma com uma competência de Oscar Pettiford, Eddie Safranski ou Ray Brown, que foram os grandes fiéis das balanças. O repertório também, com surpresas como "São Salvador", velha favorita minha, e "De noite na cama", é do tipo que eu defendo sempre, sem os clichês do gênero. Parabéns."

Mensagem de Ruy Castro


"Adorei o CD, está maravilhoso, perfeito, tudo em cima, repertório, arranjos e solistas - sem falar que vocês estão cada vez mais entrosados. Valeu."

Mensagem de Roberto Muggiati